Obrigatoriedade do uso de simuladores não é unanimidade entre autoescolas

Obrigatoriedade do uso de simuladores não é unanimidade entre autoescolas

A obrigatoriedade do uso de simuladores de direção por autoescolas gerou polêmica nesta quarta-feira (23) em audiência pública conjunta das comissões de Viação e Transportes; Defesa do Consumidor; e Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados. Foi discutida a resolução do Contran, Conselho Nacional de Trânsito, que exige, a partir de junho, 5 horas de aulas em simuladores de direção, antes do início das aulas práticas na rua. Os representantes das autoescolas estão divididos sobre a norma, assim como os deputados.

No início do mês, a Câmara rejeitou um projeto que apoia a norma do Contran (PL 4449/12). Tramita na Casa ainda um projeto de decreto legislativo (PDC 1263/13) que susta a norma do Contran, que está pronto para ser votado no Plenário.

Arte/SECOM
PROTESTO SIMULADORES

O presidente do Sindicato dos Centros de Formação de Condutores do Rio Grande do Sul, Edson da Cunha, informou que o estado já está aplicando a norma do Contran desde 2 de janeiro. Ele mostrou resultado de estudo analisando as primeiras experiências.

“Nós fizemos estudos pedagógicos que comprovam a eficácia do uso do simulador na formação do condutor. Hoje, a maioria das autoescolas não consegue ministrar aulas em condições adversas, não consegue preparar bem o aluno, é verdade isso, e o simulador vem a contribuir para a qualificação do condutor”.

Conforme Edson da Cunha, o gasto extra com os simuladores de direção é compensado pelo menor número de aulas práticas, e pode haver até economia para o candidato. Segundo ele, o estudo mostra que 80% dos candidatos que usaram os simuladores fizeram apenas as 20 horas de aulas práticas obrigatórias, sem necessidade de aulas extras.

A representante do Sindicato das Autoescolas do Ceará, Roberta Lima, acha que só os dados do Rio Grande do Sul são insuficientes para a avaliação da eficácia dos simuladores. Ela acredita que é necessário um estudo nacional e que o equipamento não pode ser obrigatório neste momento.

Essa também é a opinião do deputado Marcos Rogério, do PDT de Rondônia. Para ele, a resolução beneficia, sobretudo, os fabricantes e comerciantes de simuladores de direção.

“Esse instrumento, o simulador, não tem comprovação científica da sua eficácia. Ele está mais para um bom negócio do que para um bom instrumento de aperfeiçoamento dos condutores no Brasil”.

O deputado Hugo Leal, do Pros do Rio de Janeiro, que solicitou a audiência, disse que não há dúvida sobre os benefícios dos simuladores de direção para a formação dos condutores e defende a resolução do Contran. Para ele, o processo para a formação de condutores deve ser único em âmbito nacional, por isso o uso do simulador não pode ser optativo.

O presidente do Observatório Nacional de Segurança Viária, José Aurélio Ramalho, concorda que o simulador é eficaz para ajudar na formação do motorista. Mas, segundo ele, os simuladores disponíveis no mercado hoje precisam de adaptações. De acordo com estudo feito pela organização não governamental, alguns simuladores não são fiéis à realidade e causam náusea no usuário.

Da Rádio Câmara, de Brasília, Lara Haje
Anúncios

4 Respostas para “Obrigatoriedade do uso de simuladores não é unanimidade entre autoescolas

  1. Bom dia, continuo firme na minha opinião, simular para que, se temos o original?

    Enquanto se discute implantação de simulador vários órgãos estaduais continuam a não cobrar a íntegra da Resolução 358/2010. Temos vários CFCs sem responsabilidades e compromissos com a sociedade, vários nem diretor atuando tem, simplesmente contratam um acumulando as funções e com a permissão do órgão, e este cidadão apenas vai a empresa assinar documentos e receber. Onde está a moralidade que precisamos?

    Cadê a reforma que cobro e precisamos em todo o sistema de aprendizagem?

    Adalto

  2. Como que os órgãos de defesa do CONSUMIDOR, que e real representante da (sociedade Brasileira), e também o (IMETRO), consegue deixar que se venda no BRASIL, um equipamento que já sai de fabrica com defeito, onde todos que ali sentam ja sai com algum tipo de mal estar, e sem garantia REAL. Gostaria que os representantes dos órgãos de defesa do CONSUMIDOR, sentassem naqueles equipamentos, para assim saberem do que estaríamos realmente falando.
    Sou favorário ao PDC do deputado Marcelo Almeida, porque este povo tao sofrido não pode virar mais uma vez balcão de negocio como exemplo o (quite de primeiros socorros), e a experiencia do próprio simulador em épocas passadas. O POVO BRASILEIRO REQUER MAIS RESPEITO.
    GOVERNANTES RESPEITEM SEU POVO

  3. nos estamos no Brasil, imetro o que e isso para esses poderosos que so querem roubar o povo brasileiro
    fora simulador o maranhão e forte não vamos comprar não vamos se vender
    não somos gaúcho somos maranhenses

  4. TREINAMENTO PARA HABILITADOS. SANTOS (13) 3467-9848.
    (13) – 34679848.
    Localiza-se em Mongaguá/SP

    Entrar em Contato com Fabio Vicentini

    ESCOLA FV.FABIO VICENTINI TREINAMENTO PARA HABILITADOS.

    ATENDEMOS: Cubatão – Santos – São Vicente – Praia Grande – Mongaguá.

    Hoje em dia é comum a figura do Personal Trainer, aquele profissional que ajuda pessoalmente e quase que diariamente o cliente a manter sua forma física. Mas o que pouca gente conhece é o serviço de Personal Driver.

    Este é o trabalho realizado pelo instrutor Fábio Vicentini. O curso é voltado para pessoas que tem algum tipo de dificuldade, falta de confiança ou restrição para dirigir.

    O serviço é pioneiro e exclusivo na região metropolitana de São Paulo. As aulas são individuais e o instrutor busca o aluno em casa, no trabalho ou onde ele estiver para todas as atividades.

    No início do curso o instrutor avalia a habilidade do aluno e a partir daí desenvolve o melhor planejamento de trabalho, que inclui noções básicas de dirigir, situações do dia-a-dia e viagens em auto-estradas.

    Ao final do acompanhamento do Personal Driver, o aluno estará totalmente apto a enfrentar o trânsito das maiores metrópoles, bem como realizar grandes viagens com tranqüilidade e segurança.

    É importante lembrar que o aluno precisa ser habilitado e o curso não substitui as aulas obrigatórias e todo o processo para adquirir a habilitação.

    O programa de Personal Driver segue o nome bem à risca. Todas as aulas acontecem no sistema de Delivery Class, no qual o instrutor vai ao encontro do aluno, onde quer que ele esteja. O curso é tão personalizado que é o próprio cliente quem faz o seu horário.

    Para que o curso seja mais produtivo é fundamental que o aluno se sinta à vontade para aprender com naturalidade. Fábio Vicentini dá toda a estrutura necessária com carros que possuem ar-condicionado, direção hidráulica e sempre uma música relaxante no cd player.

    Além da estrutura diferenciada no sistema de aulas e nos carros utilizados no curso, outra grande diferença entre o serviço de Personal Driver e as tradicionais aulas para habilitados é a didática.

    Transmitindo sempre calma e tranqüilidade, Fábio Vicentini passa o conteúdo das aulas com clareza e precisão aos alunos. A aprovação até hoje é de 100%.

    O acompanhamento do Personal Driver tem carga de 20 horas-aulas, distribuídas conforme a disponibilidade e necessidade do cliente.

    O curso é dividido em três partes: técnicas básicas de direção, reprodução das situações do dia-a-dia e desenvolvimento de técnicas em estrada.

    Assim como numa avaliação física, Vicentini usa as primeiras aulas para enxergar como está a dirigibilidade do aluno e então fazer uma programação mais adequada a cada um.

    No início o Personal Driver desenvolve o controle dos pedais e a técnica de dirigibilidade do cliente. Estes fatores geram mais controle, segurança e facilitam a condução do veículo em situações comuns, como subidas, retomadas, contorno de curvas, desvios, mudanças de faixas e ultrapassagens.

    Após afiar a técnica para condução do veículo, o aluno passa a simular as situações que encontra no seu dia-a-dia, para se familiarizar e não ser pego de surpresa. Esta consiste em idas ao supermercado, à faculdade, ao shopping ou ao trabalho.

    Preparado para enfrentar o trânsito de uma metrópole, o aluno chega à fase final, que é aplicar seus conhecimentos na estrada. O encerramento é uma viagem, no carro do cliente, ao litoral sul de São Paulo, passando por Praia Grande, São Vicente – com parada no topo da Ilha Porchat – e Santos.
    Os alunos da baixada sobem a serra indo até São Paulo.

    Fábio Vicentini está ligado com educação ao volante há mais de 15 anos. Ele iniciou seu trabalho como instrutor em 1996, dando aulas para futuros pilotos de carros e de motos. Neste mesmo ano ele fez parte da equipe de resgate do GP Brasil de Fórmula 1.
    Faz parte do CEOC. Centro de Exelência de Oficiais de Competição reconhecida pela FIA.

    Em 1996 Vicentini iniciou seu trabalho como instrutor de direção defensiva e instrutor de teste driver (função exercida na BMW e na Volvo,GM,BMW,Ford,Kia e em 1998 passou a realizar o xclusivo serviço de Personal Driver.

    Ele também atua como piloto e instrutor de Test Drive, tanto de motocicleta quanto de carros. Atualmente também ministra aulas práticas de pilotagem competitiva na Alpie – Escola de Pilotagem, no autódromo de Interlagos, em São Paulo.

    Contato: (13) 34679848. (13) 99787-8976.

Envie um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s